Treinamento Polarizado

Treinamento Polarizado

Como a alimentação e o exercício caminham lado a lado para a melhora da performance nos treinos, o texto de hoje é do Professor Ramires A. Tibana (PhD Student at Catholic University of Brasília – Brazil)  falando sobre como o tipo de treinamento pode ter inflência bem positiva nesta evolução da performance.
IMG_5990                                                                                Este estudo foi feito com corredores, mas podemos aplicar essa prática também com outras modalidades espotivas, como a natação ou bike, por exemplo:                                                                                                                                                                                                                                              O treinamento polarizado é caracterizado como um modelo de periodização não linear com quase todo o tempo de treinamento gasto em intensidade “Leve” (PSE ≤13) e ” Muito difícil “ (PSE ≥17) e o treinamento com tempo muito limitado em intensidades “dificil” (14-16) ou ritmo de corrida (pace). Para conseguir isso, o modelo de treino  polarizado tem sessões de treinamento em alta intensidade  separados por um ou mais longos treinos com intensidade baixa (abaixo do limiar ventilatório 1 e / ou lactato sanguíneo de menos de 2 mM).
OBS: cada sessão corresponde a  um dia de treino.
 
IMG_5989Sua eficácia foi comprovada recentemente por Muñoz et al., (2014) ao verificarem a diferença entre o treinamento polarizado (distruições de intensidades alta e baixa) e o treinamento com intensidade alta (velocidade do limiar anaeróbio). Após 10 semanas os pesquisadores encontraram diferenças significativas no tempo de corrida de 10km para ambos os grupos, no entanto, o grupo polarizado (39min18s ± 4min54s vs 37min19s ± 4min42s) obteve melhores resultados quando comparado ao grupo de alta intensidade (39min24s ± 3min54s vs 38min0s ± 4min24s). Além disso, outro benefício da incorporação do treinamento polarizado é menor incidência de lesões em comparação ao treinamento de alta intensidade.
                                                                                                                                                                      International Journal of Sports Physiology and Performance, 2014, 9, 265 -272
                                                                                                                                                                            Foto: Pedro Mussi                                                                                                                                                              

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s