Performance – Treino em Grande Altitude

Performance – Treino em Grande Altitude

A importância do “bom transporte” de oxigênio para os músculos durante uma atividade física dispensa descrições. A atividade física aeróbia, é caracterizada pela sua predominância na produção de energia ser oriunda do oxigênio.

IMG_2019

Para entender o texto, primeiro vamos recordar o transporte de oxigênio para a musculatura: o oxigênio é “liberado” da hemoglobina e “caminha” através da parede do capilar juntando-se ao fluido extracelular e adentrando as células dos músculos. Nesta, o O2 se liga à mioglobina até ser requerido na cadeira respiratória para a fosforilação oxidativa/ciclo dos ácidos graxos (fundamental para atividade aeróbia).

Deste modo, para otimizar a performance nessas atividades, podemos lançar mão de alguns “artifícios” para aprimorar essa (importante) liberação de O2 aos tecidos.

A hemoglobina (proteína carreadora de oxigênio) tem alta afinidade com o oxigênio e, por isso, pode transporta-lo para os tecidos. A questão é que ao chegar ao tecido a hemoglobina deve liberar o O2. Para que isto aconteça, deve ocorrer o chamado “efeito Bohr”: este baseia-se na ideia de que a presença de H+ nos músculos aumente esta liberação (porém a presença maior de H+ só ocorre em atividade com predominância aNaeróbias).

Entretanto, desde 1977, ficou conhecido outro fator que também diminui a afinidade da hemoglobina com o oxigênio (favorecendo a sua liberação) – o 2,3 BPG (bifosfoglicerato).

É com este fator que podemos trabalhar para evoluir a performance em competições com predominância aeróbias: sabe-se que quando nos deslocamos para lugares de elevada altitude, em alguns dias, aumenta naturalmente a produção/ concentração de 2,3 BPG nos eritrócitos habilitando os tecidos a obter O2 apesar da menor disponibilidade no ar rarefeito.

IMG_2003

Assim, fazer treinos em altitudes alguns dias antes da prova pode ter um benefício a mais, que seria a maior disponibilidade deste de 2,3 BPG. A questão que deve ser levada em conta é que a meia vida deste fator é curta – em torno de 6h– e rapidamente voltará ao normal.

Concluindo, quando houver uma “prova alvo” um treino em grande altitude dias antes pode ser uma estratégia bem favorável não só para aumentar a quantidade de células vermelhas, mas também para favorecer esta importante liberação de oxigênio.

Bons Treinos!

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s