Treinar em jejum X Treinar sem reposição de glicogênio

Treinar em jejum X Treinar sem reposição de glicogênio

mairaDiante de tantas discussões recentes sobre o método mais adequado de treinamento para a redução do percentual de gordura corporal, acho interessante enfatizar, mais uma vez, a fundamental importância da nutrição estar relacionada com a atividade física e o (clichê, mas fundamental ) trabalho multidisciplinar.

Acho que já está bem clara a função teórica do exercício matinal em jejum, mas vou abordar alguns fundamentos só para o melhor entendimento do texto: Não acho que seja essencial que se faça atividade em jejum para a perda de gordura corporal, mas é sim uma estratégia. Neste caso, sem a ingestão de carboidratos antes do exercício (nem nenhum outro alimento que gerasse essa glicose) estaríamos forçando o nosso organismo a utilizar a gordura como fonte de energia para a realização daquela atividade aeróbica. Além do uso momentâneo de gordura, esse tipo de atividade geraria adaptações metabólicas importantes para o aumento da utilização de gordura posteriormente (entenda = ao logo do dia), como por exemplo, aumento de AMPK e PGC- 1 alpha (marcadores de adaptação para o exercício).

Mas, e o que eu quero dizer com o treinamento sem reposição de glicogênio? Mesmo que o treino ocorra em jejum, ao realizarmos uma refeição com carboidrato pós treino estaremos repondo os estoques de glicogênio muscular. Ainda que  que façamos um jejum noturno (6h ou mais) esse estoque de glicogênio muscular não será esgotado, pois o músculo (diferentemente do fígado) não possui uma enzima chamada glicose6fosfatase, ou seja, a glicose que foi armazenada no músculo não pode mais ser retirada e distribuída para outros tecidos durante um período de jejum. Para simplificar, entenda que a glicose que foi armazenada no músculo pós treino somente será utilizada novamente durante um próximo trabalho daquele grupamento muscular.

Resumindo, para que tenhamos realmente todas as adaptações necessárias e melhora de todo o sistema aeróbico, o ideal seria incluir na rotina de exercícios não só a atividade em jejum, mais sim, ela estar associada a não recuperação de glicogênio após o treino (do dia anterior a atividade em jejum, para que a atividade seja em jejum e sem a presença de glicogênio). Com o mínimo de glicogênio muscular para a realização da atividade teremos maior ativação de amp K e, consequentemente, maior utilização de gordura e adaptação.

Não repor o glicogênio muscular pós treino não significa jejum pós treino, ok? Neste caso, a refeição “pós imediata” seria feita com proteínas e algumas fontes de gordura (mas o carboidrato não precisa ser zerado o dia inteiro).

Atenção! Não estou defendendo esta prática como única para adaptação muscular até porque não é para qualquer indivíduo e é perigosa pelo risco de hipoglicemia. Também não deve ser feita várias vezes. É uma opção de “tipo de treino” para pessoas treinadas durante uma fase apenas do treinamento. Não deve ser feita pré competições pois reduzirá bastante o desempenho MOMENTÂNEO.

Quis apenas abordar mais afundo uma questão que muitos apenas citam como besteiras sem saber que há, sim, muita ciência por trás.

Bons treinos!

 

Obrigada  pela foto, Maira Taraves.

5 comentários em “Treinar em jejum X Treinar sem reposição de glicogênio

  1. treino pela manha (6am) anaeróbico somente com tcm(oleo de coco), cafe e creatina … além da hidratação pre treino e intra treino, nao sinto falta de rendimento ou hipoglicemia. AGORA, quando jogo futebol ou faço meu surfe dos finais de semana .. minha prioridade são os carboidratos no pre .. pela performance. Nao me adptei sem eles. Uma duvida seria, usar tcm ,carbos e proteína pré treino seria uma boa estrategia para performance?além da hidratação é claro.

    Curtir

  2. Olá Júlia. Gostei muito de seu artigo, mas estou com uma duvida. Treino seis vezes por semana logo cedo. Começo minha rotina por volta de 5:30. Tomo um pre treino e vou para a academia onde treino pesado. No retorno tomo whey e após um banho tomo café. Você acha recomendado o treino em jejum, e neste caso falo inclusive em não tomar o pre treino, mesmo para anaerobicos? Como tenho pouco tempo costumo treinar com alto volume. Três vezes por semana início com aeróbico HIT e três dias com abdominais.

    Curtir

    1. Boa Tarde, Ulisses..
      Geralmente não sou muito a favor de pré treinos..
      Sobre o treino em jejum, acho que, dependendo do seu objetivo, vc até pode usar como estratégia durante um período, mas não sempre.
      Bjs

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s